domingo, 4 de setembro de 2016


GUERRA DE CANUDOS - Medalha Comemorativa do Combate de 25 SET 1897, ofertada pela Colônia Paraense na Bahia ao Cel Antônio Sérgio Dias Vieira da FONTOURA.





GUERRA DE CANUDOS - Medalha Comemorativa do Combate de 25 SET 1897, ofertada pela Colônia Paraense na Bahia ao REGIMENTO POLICIAL DO PARÁ.



sábado, 3 de setembro de 2016

A História através dos Boletins Gerais da PMPA

De vez em quando alguns colegas de farda me pedem informações acerca da História da PM do Pará, geralmente, querendo um produto "pronto e acabado" e, por vezes, sei que ficam desapontados com as respostas obtidas, quase sempre insignificantes.
Seria a História da PMPA insignificante também? 
Claro que não, muito pelo contrário! Contudo, vale ressaltar que nada, ou quase nada se tem feito para preservá-la ou recontá-la, ficando-se com os bordões que cercam a imagem marmorizada do "herói de Canudos", o patrono da PM - Cel Fontoura.
Interessante notar que entre Fontoura a a dita "polícia cidadã" hodierna, nada ou quase nada se escreveu. Obviamente que a História não está numa prateleira, esperando que os historiadores venham a "encontrá-la" e, simplesmente, levá-la à luz.
Quem dera pudéssemos encontrá-la dessa forma! Há, contudo, todo um trabalho de pesquisa do Historiador que fica encoberto e que, na maioria das vezes, parece "embromação", principalmente se formos, também, militares. Mais ainda se formos policiais militares que, via de regra, devem fazer algo mais nobre do que revirar papéis velhos e, sim, "fazer polícia nas ruas". Infelizmente, esta é a ideia hegemônica e não parece que mudará tão cedo.
Felizmente, alguns antepassados nossos, talvez alguns "desocupados" de décadas remotas tiveram a feliz ideia de guardar "papéis velhos" e, assim, iniciaram a coleção de Boletins Gerais existentes na corporação que inicia no ano de 1964 e segue até os dias atuais.
É bem verdade que muitos daqueles que não enxergam algum valor na história e na memória já devem ter tido a ideia "brilhante" de por fim aquele monte de papel velho, cheirando a mofo. Mas, enquanto isso não acontece e espero que nunca aconteça, podemos nos deliciar com as histórias narradas naqueles documentos.
Exemplo disso é o Boletim Geral nº 25, datado de 13fev1964, que apresenta na 4ª parte seis prisões disciplinares aplicadas pelo Comandante Geral, Coronel PM Iran de Jesus Loureiro, das quais quatro se referem aos integrantes da PM que envolveram-se numa desordem na Clube 5 de Outubro, havendo inclusive disparos de arma de fogo e, outras duas referentes a uma agressão física sofrida por um Soldado do Exército tendo como autor um Soldado PM que encontrava-se, de folga, participando de um jogo de futebol em via pública e não gostou de ter sido admoestado pelo militar federal, quando este reclamara de ter sido atingido pela bola. E, finalmente, um caso de embriaguês alcoólica de um Soldado PM que perambulava mal fardado pelo bairro da Marambaia.
Talvez estejamos no momento de revisitarmos os nossos antepassados esquecidos entre as folhas amareladas dos Boletins Gerais e compreendermos melhor como se deu o "fazer-se" da Polícia Militar do Pará, para além do "heroísmo" de Fontoura, no longínquo sertão bahiano.
Para ler o BG Nº 25 de 13fev1964, clique AQUI.

(a) Ronaldo Braga Charlet - Capitão PM
Bach/Lic em História * Especialista em Patrim. Histórico * M.Sc. em Planejamento do Desenvolvimento

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Mais História nos Boletins Gerais... 1964

Boletim Geral nº 26 de 14 de fevereiro de 1964, por sinal há 49 anos atrás nos apresenta algumas informações preciosas sobre o cotidiano da corporação militar estadual. 
Àquela época foram designados 10 instrutores para o Curso de Formação de Graduados (CFG), entre os quais estavam os 2º Ten PM Antônio Carlos, Machado e Rocha. Estes dois últimos alcançaram o cargo de Comandante Geral da corporação no início dos anos 80. O primeiro, foi Secretário de Estado de Segurança Pública no Governo de Hélio Gueiros (1986-1990).
As disciplinas de então eram: Higiene e Primeiros Socorros; Educação Moral e Cívica e Organização do Terreno; Armamento e Tiro; Educação Física; Equitação; Ordem Unida e Maneabilidade; Instrução Geral e Combate e Serviço em Campanha; Topografia e Métodos e Processos de Instrução; Administração e Escrituração Militar; e Técnica Policial. Esta última era ministrada pelo Inspetor Sizenando Pereira da Costa.
Ver Referência
Além disso, temos a nomeação por Decreto governamental do SD PM José Xavier Meméde para o cargo de Comissário de Polícia de Tauarizinho, município de Peixe-Boi e, no final, na "famosa" 4ª Parte, estão dois Soldados cumprindo seus castigos - nome dado às punições disciplinares. Um por ter deixado de pagar um credor e o outro por se envolver em discussão, quando em serviço, com funcionário da Fábrica Perseverança, localizada no quarteirão entre as ruas Quintino Bocaiúva, Gaspar Viana, Rui Barbosa e Municipalidade (imagem ao lado).

(a) Ronaldo Braga Charlet - Capitão PM

Referência:
Imagem da Fábrica Perseverança, contida no Jornal Beira do Rio, Ano XXVII, nº 110, Jan. e Fev. de 2013, publicação da Universidade Federal do Pará, disponível em http://www.ufpa.br/beiradorio/novo/index.php?option=com_content&view=article&id=973:de-vila-operaria-a-bairro-nobre-&catid=106:edicao-78--dezembro&Itemid=18, acessado em 14fev2013.



quinta-feira, 1 de setembro de 2016

CURSO DE AÇÕES DE CHOQUE INICIA SEGUNDA-FEIRA, 17 JUN.

A Polícia Militar do Pará, por meio do Batalhão de Polícia de Choque, unidade  integrante do Comando de Operações Especiais, realizará o CURSO DE AÇÕES DE CHOQUE.
A aula inaugural está prevista para às 09h00 da próxima segunda-feira, 17/06/2013, no Auditório do Comando Geral da Corporação, que contará como palestrante a Profª Fernanda Numer (UFPA).


O Curso de Ações de Choque é destinado a preparar Cabos e Soldados para atuação nos Pelotões de Choque, dentro dos parâmetros técnicos e legais vigentes, pois segundo o Ten Cel PM Leão Braga, Comandante do Batalhão de Choque, "é a atuação eficiente e eficaz, equilibrada e profissional, com o uso diferenciado da força e respeitando os direitos humanos que se espera de uma tropa de choque bem treinada".

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Aconteceu Hoje na Polícia Militar do Pará

Assumiu, interinamente, o comando da corporação, no dia 13 de julho de 1850, o Major Joaquim Victorino de Souza Cabral, por ter sido dispensado o Major Christiano Pereira de Azevedo Coutinho.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Origens remotas do Batalhão de Choque da Polícia Militar

A História da Polícia Militar do Pará, com quase 200 anos de existência, é repleta de fatos que ainda estão a serem revelados à sociedade e à própria corporação.
Um desses fatos é a criação de um remoto Pelotão de Choque, nos anos de 1944, pelo Chefe de Polícia, Moura Carvalho. Abaixo, temos a imagem do Chefe de Polícia com o pelotão de choque.

Imagem 01: Moura Carvalho com o Pelotão de Choque da PM - 1944

Esse Pelotão é a referência  mais antiga do que é hoje o Batalhão de Choque da PMPA, que funciona na Avenida Fernando Guilhon, entre as Travessas 14 de Março e Alcindo Cacela.

Vê-se na imagem que o uniforme era constituído de boné (quepe), túnica branca, com talabarte e cinto (cujo armamento ficava disposto à esquerda), calça e sapatos. Não foi possível identificar as cores da indumentária. Apenas um dos militares está na fotografia utilizando bota (possivelmente membro do Esquadrão de Cavalaria), bem como esse militar é o único que não utiliza talabarte, cinto e coldre, mas é o único que está de gravata.

Desse período até os anos de 1990 quando é criado o Batalhão de Choque da PM, temos a referencia da criação de um Pelotão de Choque, conforme publicado no Diário Oficial do Estado do Pará, nº 20.677 de 19 NOV 1965, da Lei nº 3.429 de 05 NOV 1965 que fixa o efetivo da Polícia Militar do Estado para o exercício de 1966 e dá outras providencias:
Art. 7º A Companhia de Guardas terá o efetivo de dois (2) Pelotões de Policiamento, dois (2) de Tráfego, um (1) PELOTÃO DE CHOQUE e uma (1)Secção de Comando.


Moura Carvalho, Chefe de Polícia, em visita à Polícia Militar. A seu lado o Cmt dessa Unidade, Cel Ney peixoto e oficiais da Corporação, em 1944.  Fonte: Magalhães Barata, o Homem, a Lenda o Político - Vol. I.

Referências:
Imagem 01: CRU
Imagem 02:

20ª Reunião de Historiadores da PMPA

Reunião da Equipe
Foi realizada na tarde de ontem, 21/06/2016, na sala de reuniões do Chefe do Estado-Maior Geral da PMPA, a 20ª Reunião do Grupo de Trabalho em História da PM.
Cel PM Saraiva e Profª Wania Viana
A equipe composta pelo CEL PM SARAIVA, Chefe do EMG; TEN CEL PM GABRIEL, Diretor do Museu da PM; TEN CEL PM RR RUFFEIL, MAJ PM CHARLET, CAP PM GAUDÊNCIO, 1º TEN PM ALBERTO e 1º TEN PM ISMAEL vem se reunindo desde o mês de setembro de 2015, em cujas reuniões são definidas ações de proteção do patrimônio histórico da PM. Entre as ações, destaca-se a instalação  de uma "Sala da Memória" no Comando Geral da PM, na Rod. Augusto Montenegro.

Cel PM Saraiva e Ten Zeferino visita à Sala da Memória
A reunião contou com a presença de dois professores universitários: a Profª M.Sc WANIA ALEXANDRINA VIANA, da Unama; e o Prof. Esp. MÁRCIO RAMON CAMPELO RAMOS, ambos estudiosos de História Militar regional.
Na oportunidade, foram discutidas ações e iniciativas que devam ser tomadas acerca da preservação do patrimônio histórico documental da PM que, uma parte considerável, passou pelo processo de digitalização perfazendo um total de 139 documentos (códices e livros).
Ten Zeferino relatando sua história na PM
Concluída a primeira fase da reunião, iniciou-se a entrevista do 2º TEN RF ZEFERINO, Policial Militar que incluiu nas fileiras da corporação em 1963 e passou pelo menos 20 anos atuando no Exército Brasileiro a serviço da PM, mantendo o cadastro de Policiais Militares mobilizados em ordem para, se necessário, subsidiar a atuação da força terrestre.

O Tenente Zeferino lembrou do cotidiano do trabalho policial, entre os quais a ausência de férias, o fato de haver tirado 48 serviços de guarda no Presídio São José, de ter incluído numa tropa Policial Militar e ter sido designado a servir na Cavalaria da PM, cujo prédio em 1963 era na Avenida Alcindo Cacela com a Rua Conceição, na Cremação.

Créditos:
Fotografia Voluntária Civil Rayara.

Informações:
Todas às terças-feiras, a partir das 15h00 ocorre a reunião. Os interessados em participar deverão procurar o Coronel PM Saraiva, Chefe do Estado-Maior Geral ou qualquer um dos demais participantes.

Doação de peças para o Museu da PM:
De segunda a sexta-feira, das 09 às 16h, na Secretaria do EMG.